EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR – Publicações

Fevereiro 20th, 2018

A Biblioteca Escolar da nossa escola deu a conhecer, após um levantamento criterioso, uma série de publicações disponíveis para apoiar o projeto “EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR”.

Um agradecimento à coordenadora Fernanda Sampaio e à sua fantástica equipa.

Eis as publicações selecionadas:

MUITO OBRIGADO ex-aluna TÂNIA COSTA

Fevereiro 20th, 2018

O Clube de Saúde da Escola Secundária José Régio de Vila do Conde tem tido o enorme privilégio nos últimos anos lectivos de ter a colaboração da enfermeira Tânia Costa em palestras teórico-práticas com fundamentação científica e abordagem pedagógica.

A enfermeira Tânia Costa foi no passado aluna da nossa escola e é actualmente assistente convidada da Unidade de Ensino de Enfermagem do Porto da Universidade Católica Portuguesa.

No presente ano lectivo foram diversas as palestras efectuadas sendo marcantes as suas fundamentadas intervenções e cativantes a respectiva forma de abordagem.

Assim vem o Clube de Saúde, em nome da Direção da Escola Secundária José Régio de Vila do Conde agradecer à enfermeira Tânia Costa tão grata e eficiente colaboração.

O SISTEMA IMUNITÁRIO, AS DOENÇAS E OS COMPORTAMENTOS SAUDÁVEIS

Fevereiro 19th, 2018

Integrado no plano de atividades do Clube de Saúde Escolar decorreu hoje, dia 19 de Fevereiro, pelas 11:30 horas uma palestra destinada aos alunos do 12º ano de escolaridade (com Biologia no seu currículo escolar) subordinadas ao tema: “O SISTEMA IMUNITÁRIO, AS DOENÇAS E OS COMPORTAMENTOS SAUDÁVEIS!”.

A palestra decorreu em tempo letivo no Auditório da Escola, de acordo com o calendário em anexo. A intervenção foi orientada pela Enfermeira Tânia Costa – assistente convidada da Unidade de Ensino de Enfermagem do Porto da Universidade Católica Portuguesa – e teve a duração de 45 minutos.

Eis o calendário da palestra com a referência da turma, disciplina e professor acompanhante:

19.02.2018 (2ª Feira) | 11:30 Horas

12CT1 (Biologia – Beatriz Faria)

12CT2 (Biologia – Ilda Costa)

12CT3 (Educação Física – Armelino Bentes)

Palestra “ADOLESCÊNCIA, AFETOS e SEXUALIDADE… uma explosão de dúvidas” | Imagens 02

Fevereiro 19th, 2018

Palestra “ADOLESCÊNCIA, AFETOS e SEXUALIDADE… uma explosão de dúvidas” | Imagens 01

Fevereiro 19th, 2018

ADOLESCÊNCIA, AFETOS e SEXUALIDADE… uma explosão de dúvidas

Fevereiro 15th, 2018

Integrado no plano de atividades do Clube de Saúde Escolar decorre no dia 16 de Fevereiro, mais um ciclo de palestras destinadas aos alunos do 10º ano de escolaridade subordinadas ao tema: “ADOLESCÊNCIA, AFETOS E SEXUALIDADE… UMA EXPLOSÃO DE DÚVIDAS”. 

As palestras decorrerão em tempo letivo no Auditório da Escola, de acordo com o calendário em anexo. Serão orientadas pela Enfermeira Tânia Costa – assistente convidada da Unidade de Ensino de Enfermagem do Porto da Universidade Católica Portuguesa – e têm a duração de 45 minutos.

Eis o calendário das palestras com a referência do dia, hora, turma, disciplina e professor acompanhante:

16.02.2018 (6ª Feira)

08:30 horas: 10CT5 (Educação Física – J. Pedro Martins) e 10CT6 (Educação Física – Maria Guia Carmo)

09:25 horas: 10SE2 (Geografia – Cristina Estrada) e 10LH4 (Filosofia – Olívia Macedo)

10:30 horas: 10CT1 (E. Física – Rosário Valença) e 10CT7 (Educação Física – Nuno Gonçalves)

11.30 horas: 10CT4 (E. Física – J. Pedro Martins) e 10LH1 (Português – Alexandra Alves)

12.25 horas: 10SE1 (E. Física – Rosário Valença) e 10CT3 (Inglês – Sónia Carvalho)

14.30 horas: 10AV1 (Português – Joaquim Ferreira) e 10LH3 (Educação Física – Nuno Gonçalves)

15:30 horas: 10CT2 (E. Física – Rosário Valença) e 10LH2 (Educação Física – Nuno Gonçalves)

Palestra “CANCRO DA PELE e MELANOMA” | Imagens

Fevereiro 14th, 2018

PALESTRA “CANCRO DE PELE E MELANOMA” | Folhetos

Fevereiro 14th, 2018

LIGA PORTUGUESA CONTRA COM O CANCRO

Folhetos: Dia Mundial do Cancro e Prevenção de Cancro da Pele

 

 


 

 

06 de Fevereiro – PROIBIDO ESQUECER

Fevereiro 6th, 2018

6 DE FEVEREIRO…

…decretado pelas Nações Unidas como dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina por traduzir numa agressão brutal contra a dignidade das mulheres.

Estima-se que 140 milhões de mulheres em todo o mundo sejam mutiladas e que três milhões de meninas estejam em risco anualmente.

O documentário anterior de Inês e Daniela Leitão transmitido na RTP África, “Foi um caminho de conhecimento, de partilha. Vivi muito tempo perto destas pessoas“, conta Inês Leitão sobre os testemunhos recolhidos
O documentário tem ele próprio uma grande esperança. Se tiver prevenido uma mulher ou uma criança de ter sido mutilada, valeu a pena todo o sacrifício“, conta Inês Leitão, guionista do documentário Este é o meu Corpo, à SÁBADO. O filme, de Inês e Daniela Leitão, conta com três testemunhos entre os 200 milhões de mulheres e crianças que são vítimas de Mutilação Genital Feminina (MGF) no mundo. Por elas, hoje cumpre-se o Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina. Como foi abordar estas vítimas de MGF, que vivem em Portugal? “Tivemos de fazer um caminho. Não foi logo ao primeiro encontro. Receberam-me em casa delas e fui a muitos almoços! Nem todas as mulheres que abordei aceitaram depois falar connosco. Foi um caminho de conhecimento, de partilha, vivi muito tempo perto destas pessoas. Para mim, foi uma riqueza enorme e hoje sou amiga delas. Também são minhas amigas. De outra forma não seria possível.” Hoje, as três mulheres “sentem que podem proteger as filhas“.
O filme recupera imagens do arquivo da RTP, captadas na Guiné-Bissau, e contém testemunhos de três mulheres que vivem em Portugal. “Tivemos um grande apoio da comunidade da Guiné-Bissau, e chegámos às mulheres através de uma associação que é a Filhos e Amigos de Farim”, conta Inês. “Apesar de terem a mutilação genital feminina no seu seio são a comunidade que está mais desperta para a necessidade de falar deste tema. Querem fazer alguma coisa. Agora falta dar poder a estas mulheres, para se tornarem elas próprias a sua voz. É um caminho que vamos fazendo todos juntos“, reflecte a guionista acerca deste seu quinto trabalho documental.

A ideia do documentário surgiu quando Inês soube que a MGF era uma realidade na Europa. “A primeira vez que tive consciência disso foi com um livro da Sofia Branco [Cicatrizes de Mulher]. As coisas foram surgindo, fui falando com a minha irmã e tivemos esta ideia de fazer o trabalho.” Apesar de ser uma prática comum na Guiné-Bissau, Inês Leitão considera que possa ter lugar também em Portugal, apesar de a prática ter diminuído muito com a criminalização. Contudo, a “moda” é tentar levar meninas para África. “Ouvi falar numa mulher que tentou levar crianças para a Guiné no Cacém, e houve qualquer coisa na Damaia…“, recorda.

Para Inês, Portugal deve continuar o combate à MGF em várias vertentes, e “apostar na formação e dar mais poder a estas mulheres“. “Elas deixam uma mensagem de esperança, de quem estabeleceu o compromisso para erradicar este flagelo. Agora se isso acontecerá a curto prazo, tenho sérias dúvidas“, lamenta.

04 de Fevereiro – Dia Mundial Contra o Cancro

Fevereiro 6th, 2018